Portal de Uruçuí - A Notícia do Tamanho da Verdade!

Brasileiro que defende o Líbano perde luta por ação irregular

O que estão fazendo é uma vergonha porque me naturalizei libanês

09/08/2016 23:39 em Esporte Jogos Olímpicos
Brasileiro que defende o Líbano perde luta por ação irregular
Brasileiro que defende o Líbano perde luta por ação irregular

Um dia após a inesquecível conquista do ouro de Rafaela Silva, um brasileiro que representa o Líbano foi quem mais chamou a atenção, na manhã desta terça-feira, no início da disputa das preliminares do peso-meio-médio (até 63kg para as mulheres e até 81kg para os homens).

Ex-integrante da seleção brasileira e naturalizado libanês desde 2013, Nacif Elias reclamou muito ao ser desclassificado por uma entrada de golpe proibida na luta contra o argentino Emanuel Lucentti, pela primeira rodada.

O juiz considerou que Nacif encaixou uma chave de braço quando estava de pé e encerrou o combate, dando a vitória para o hermano. Inconformado, Elias se negou a sair do tatame da Arena Carioca 2, discutiu com o juiz e ficou gritando em direção aos mesários. Depois de alguns minutos, ele decidiu deixar a área de luta e abandonou o ginásio chorando bastante. Atual vice-campeão asiático, Nacif tinha boas chances de ir longe na Rio 2016.

– Fui roubado. Isso é uma vergonha. Treinei muito, é catimba argentina. Arbitragem internacional é uma vergonha, sempre me prejudicam no circuito mundial. O que estão fazendo é uma vergonha porque me naturalizei libanês. Vão me punir por dois anos. Infelizmente não foi dessa vez. Treinei muito. Estou triste por isso – reclamou Nacif.

Após conversar com a Federação Internacional de Judô e mais calmo, Nacif retornou para fazer a saudação final e pediu desculpas aos juízes, público e tatame. Ele havia deixado o local de combates sem os devidos cumprimentos obrigatórios. A torcida na Arena Carioca 2 o aplaudiu.

– Aceito, né? Tenho respeitar a decisão deles. Acato, faz parte. Treinei muito! Hoje, vivo para treinar. Tinha chances claras de medalha. Não desisto nunca, apesar de ser naturalizado libanês – disse Nacif.

Técnico do judoca, Gabriel Vicentini lamentou a eliminação do seu comandado e destacou que Nacif trabalhou duro para ir longe nos Jogos do Rio.

– Foi um ciclo de muito sacrifício, abriu mão de muita coisa. Passamos por muitas dificuldades, sem receber salário. Ele cumpriu o protocolo do judô, mas a gente não concorda com a decisão. Várias vezes isso aconteceu – afirmou.

Fonte: Cidadeverde.com

Comentários